Guia da Desonestidade Académica

Formação de Formadores - Manual da Cábula

O Portal da Formação de Formadores criou um Guia que aborda os diferentes tipos de desonestidade praticadas nos meios académicos ou da formação profissional.

Este guia visa por um lado efectuar um diagnóstico da realidade portuguesa actual bem como da sua evolução, por outro lado o objectivo mais importante consiste em ajudar o formador / professor a prevenir e evitar este tipo de comportamentos anti-pedagógicos.

Para tal dividimos este Guia em várias secções; começando pela caracterização, seguida de um diagnóstico baseado nos diversos estudos já realizados em Portugal, depois a descrição das diversas técnicas de fraude durante a realização de testes / exames e por último propomos-lhe algumas dicas que o poderão ajudar a prevenir os vários tipos de desonestidade académica.


Introdução


Formação de Formadores - Desonestidade Académica

A Génese

No príncipio era o estudo... mas este era um mundo imperfeito. Não havia espaço para o lazer, para o prazer do sucesso fácil, a vitória do esperto sobre o "marrão".. enfim, tudo se resumia a um mundo cinzento e previsível. Quem mais estudava era quem obtinha melhores resultados, uma "chatice".

Eis que o Homem decide espreitar pelo ombro do colega, não cabendo em si de felicidade perante tamanha descoberta. Nada mais voltaria a ser igual. O pecado original do paraíso pedagógico acabara de nascer. A desonestidade em sala de aula cumpria o sonho mais desejado da criança ao homem adulto: "como aprender sem esforço".


Estudos sobre o Plágio Académico


Portal da Formação de Formadores - Estudos sobre o Plágio

Portugal acompanha o resto do Mundo no que diz respeito ao número de estudantes que admite ter copiado em exames. Existem alguns estudos portugueses relativamente ao uso do plágio no contexto académico dos quais gostaríamos de salientar os seguintes:

Ivo Domingues, professor de Sociologia, na Universidade do Minho, é autor de um estudo com o título «Atitudes face ao copianço na universidade», em que aponta para uma prática generalizada da fraude académica. Como exemplo, refere que numa turma do 1º ano a maioria dos alunos afirmava que este comportamento era herdado do ensino secundário: 95% admitiu já ter copiado anteriormente e só 5% é que afirmaram ter iniciado este tipo de prática na faculdade.


Técnicas de como Cabular


Formação de Formadores - Técnicas de como Cabular

A arte de "cabular" - ou do "copianço" - como é comum ser referida actualmente, ocupa um lugar de destaque no universo da desonestidade pedagógica. Da envergonhada e esporádica ocorrência de há 50 anos até à máxima moderna "estudo, logo copio" vão apenas algumas décadas de (in)evolução.

O Guia da Desonestidade Académica dedica esta secção a esta actividade universal, que de tão inventiva por vezes, supera o objecto de estudo quer em qualidade, quer em inventividade. Se pretende evitar a cópia dos seus formandos durante os testes ou exames, conheça algumas destas técnicas para melhor se proteger:


Como prevenir a Fraude Académica


Portal da Formação de Formadores - Como Prevenir a Fraude Académica

Da leitura das secções anteriores resulta claro que a fraude pedagógica assume contornos preocupantes quer pela crescente banalização, quer pelos efeitos preversos que provoca na formação do indíviduo e da sociedade em geral. Nesta secção iremos descrever algumas técnicas que o poderão ajudar a prevenir a fraude académica.

Discuta o Tema com os seus Alunos

Debater este tema de uma forma aberta, é uma boa técnica para iluminar o que tende a esconder-se entre pactos de silêncio e na penumbra do pensamento. Discuta os diferentes tipos de fraude e as diversas técnicas, para que fique bem claro que o formador as conhece e sabe como detectar. Convide os seus formandos a debater as possíveis consequências sociais e profissionais deste tipo de comportamento a médio prazo.

1 - Introdução >>